Crítica Westworld S3: indecifrável

Lisa Joy e Jonathan Nolan tinham uma responsabilidade muito grande quando criaram Westworld. A então nova atração da HBO nascia na sombra de Game of Thrones e cabia a ela ser o novo sucesso da emissora. O primeiro ano mostrou-se realmente promissor. O enredo foi costurado com calma e The Bicameral Mind merece aplausos. A…

Crítica Watchmen S1: o terror supremacista

O filme Watchmen, de Zack Snyder, lançado em 2009, é um tanto difícil de acompanhar – ainda mais para quem assistiu à versão de três horas e meia. Baseado na HQ homônima de Alan Moore e Dave Gibbons, o trabalho traz uma história cheia de idas e vindas, mas principalmente centrada em 1985, em plena…

Crítica Barry S2: desnecessária e ótima

Quando eu penso em comédias que gostaria muito de assistir, Barry não é uma escolha óbvia. Um homem cis, branco e heterossexual assassino que quer largar a profissão de matador de aluguel e virar ator não soa indispensável. De fato, ela pode até não ser. Todavia, a comédia criada por Alec Berg e Bill Hader…

Crítica Years and Years: os descaminhos da política

Mostrar um futuro distópico é assunto recorrente no cinema e na televisão. Há bons exemplos, como Mad Max e, mais recentemente, The Handmaid’s Tale, que conseguem transmitir diferentes mensagens. Atualmente, a ascensão de políticos populistas a postos de projeção mundial, como os casos de Trump e Johnson, faz com que o vislumbre de como serão…

Crítica Succession S1: família irritante

Muito dinheiro. Donos de um dos maiores conglomerados de mídia e entretenimento. Uma família detentora do poder – e arruinada pela ganância de seus membros, que estão dispostos a passar por cima de qualquer um. Succession, drama criado por Jesse Armstrong, reúne, sem sombra de dúvidas, a qualidade característica das produções da HBO. Temos um…

Crítica Big Little Lies S2: o preço da mentira

A mentira geralmente tem um preço alto a ser pago. Por mais que possa ser, em muitas ocasiões, a escolha mais confortável, as chances de que seja descoberta sempre são mais altas do que imaginamos. Outro problema é que, mesmo se não for descoberta, podemos ser consumidos internamente por ela. A consequência de contar uma…

Crítica Euphoria S1: as lágrimas de Rue

Euphoria, drama da HBO que recentemente exibiu o oitavo e último episódio da primeira temporada, causou alvoroço em sua estreia. Aparentemente é muito chocante ver um punhado de pênis, além de mostrar jovens norte-americanos perdidos em uma rotina com sexo e drogas. A atração criada por Sam Levinson prometia cenas ainda mais fortes no decorrer…

Crítica Chernobyl: arrogância e mentiras

Um desastre nuclear de proporções imensas. Milhões de vidas em perigo e, enquanto isso, uma teia de mentiras acobertando o que de fato ocorreu e ainda poderia ocorrer. Uma corrida contra o tempo para a catástrofe não ser ainda maior. Muitas pessoas expostas ao perigo por causa de uma mistura de arrogância, ignorância e descaso….

Crítica Game of Thrones S8: uma bela porcaria

Um fim desapontador para a série que tinha tudo para ser eternizada como uma das melhores da televisão norte-americana. Essa simples frase melhor traduz o sentimento de frustração decorrente da exibição da oitava temporada de Game of Thrones, criação de David Benioff e D.B. Weiss para a HBO. Após um começo onde a trama foi…

Crítica Veep S7: opressores expostos ao ridículo

Uma metralhadora de impropérios. Diálogos acelerados desabando toneladas de merda sobre nossas cabeças. Cenas caóticas que avançam uma campanha aos trancos e barrancos. Situações constrangedoras tão bizarras quanto a realidade. Veep chega com vigor em sua sétima temporada para encerrar um ciclo extremamente vitorioso. O principal trunfo da comédia da HBO foi, durante sua jornada,…

Crítica True Detective S3: passado que assombra

True Detective, antologia da HBO criada por Nic Pizzolatto, estreou em 2014 da melhor maneira possível. Cary Joji Fukunaga conduziu com maestria a história da dupla vivida por Matthew McConaughey e Woody Harrelson. O trabalho não apenas rendeu boa audiência, mas também uma infinidade de prêmios e indicações. Então veio o segundo ano, em 2015,…

Crítica Sharp Objects: cicatrizes que carregamos

Camille Preaker (Amy Adams) é uma repórter que abusa do álcool para remediar as dores que carrega consigo há anos. A morte da sua irmã, ainda na infância, e a relação complicada com a mãe foram alguns dos fatores que a levaram a cometer atos contínuos de autoflagelo, inclusive fazendo com que ela fosse internada…