Crítica Emily in Paris S1: boba, mas apreciável

Emily (Lily Collins) é uma norte-americana de Chicago que vai a Paris acompanhar os trabalhos de uma empresa francesa incorporada por aquela que ela representa. A sua perspectiva de marketing colide com a de seus novos colegas, que não recebem bem a estrangeira que nem ao menos sabe falar a língua do país para o…

Crítica Chilling Adventures of Sabrina S4: duplamente frustrante

Se ter uma Sabrina (Kiernan Shipka) é bom, duas é melhor, certo? Errado. Em sua quarta e última temporada na Netflix, a série Chilling Adventures of Sabrina mostrou-se uma verdadeira decepção. Após um primeiro ano promissor e segundo de tirar o fôlego, tivemos boa queda no terceiro e, agora, atingimos o fundo do poço. Pouco…

Crítica Bridgerton S1: linda e dispensável

De Ariana Grande a Billie Eilish, hits modernos transformados com toques clássicos. A trilha musical de Bridgerton, série de época criada por Chris Van Dusen a partir dos romances de Julia Quinn, melhor exemplifica o tom da produção. A era georgiana é trazida à tela em sua melhor forma, com uma direção de arte impecável,…

Crítica The Great S1: humor e golpe

Catherine, a Grande, era alemã. Quando chegou em São Petersburgo, todavia, já era russa em seu coração – tanto que se converteu à religião ortodoxa e deixou para trás o nome de batismo, Sophie of Anhalt-Zerbst. Casou-se ainda adolescente com o príncipe Peter III, em 1745. A tumultuosa relação deu frutos, entre eles Paul I,…

Crítica Ted Lasso S1: amável vitória

Um esporte é chamado de futebol americano e outro, simplesmente futebol.  Ted Lasso (Jason Sudeikis), treinador de um clube do primeiro referido, nos Estados Unidos, é convidado por Rebecca Welton (Hannah Waddingham) para coordenar os jogadores do AFC Richmond, time que disputa a Premier League, na Inglaterra. O enredo, muito simples em sua forma e…

Crítica I May Destroy You S1: o vazio e o livro

Com bloqueio criativo e prazo prestes a acabar para entregar algum material para seus agentes, a escritora Arabella decide ir a uma festa com seus amigos e espairecer momentaneamente. No local, sem perceber, uma droga é posta em sua bebida. O responsável, que ela não conhece, leva-a alterada para o banheiro e a estupra. O…

Crítica Lovecraft Country S1: entre a seriedade e a infantilidade

Howard Phillips Lovecraft (1890-1937) foi um escritor de horror e literatura fantástica que criou os mitos de Cthulhu, um panteão de monstros sobrenaturais que influenciou gerações e teve a colaboração de escritores do gênero. Sua escrita cheia de inimigos, apesar de ter um pé na imaginação, deixava o outro enterrado profundamente em sentimentos bem humanos….

Crítica Raised by Wolves S1: conflito em novo planeta

Após a Terra tornar-se inabitável, um cientista ateu envia dois androides para o planeta Kepler-22b. A missão deles é criar crianças humanas e, distante de todo o terror da grande guerra, fazer nascer uma nova civilização. O local – palco central da trama de Raised by Wolves, série dramática de Aaron Guzikowski com envolvimento de…

Crítica Grand Army S1: será que sou um bom ser humano?

Adolescentes com diferentes origens, vivências, personalidades, dificuldades. Um universo de ternura e sofrimento representado em Grand Army, nome do novo drama da Netflix e da escola onde se passa boa parte da trama. Criada por Katie Cappiello, a série acompanha Joey Del Marco (Odessa A’zion), jovem feminista com traços de líder; Dominique Pierre (Odley Jean),…

Crítica The Crown S4: rigor

A rainha voltou. Se em tempos mais costumeiros já chamava atenção pelo seu esplendor, durante a pandemia reina insuperável com o rigor estético de sempre e dramas que falam mais alto para um público que bem guarda em sua memória as duas grandes adições da vez. The Crown, uma série da Netflix criada por Peter…

Crítica What We Do in the Shadows S2: humor e sangue

Viril, sedutor, irresistível. O arquétipo do vampiro traz traços de um ser mítico e sexy que habita as sombras. Na maioria das vezes, mas nem sempre. O insaciável bebedor de sangue também pode ser desajeitado e pouco atrativo. Com personagens excêntricos e carismáticos, What We Do in the Shadows revela uma face mais destrambelhada desses…

Crítica Killing Eve S3: humor e excentricidade

Criada por Phoebe Waller-Bridge, a série Killing Eve foi um sucesso momentâneo. A história de fascinação e ódio entre Villanelle (Jodie Comer) e Eve Polastri (Sandra Oh) facilmente seduziu a todos com seu texto fluído e inteligente, ótimas atuações e direção sólida. Enquanto Emerald Fennell conduziu o segundo ano da atração, o terceiro ficou por…